O Máximo do Massive pt 2 – O som do Hoover a partir do zero!

A primeira coisa que pensei na longinqua primavera de 1993 enquanto corria pra casa com minha primeira placa de som capaz de gravar em 16 bit para o Amiga 1200, foi sobre o que iria samplear primeiro. Na época, eu usava trackers como sequenciadores de pequenos samples que eram usados como instrumentos, uma versão esperta e barata do que faziam os caros teclados Fairlight. Softwares codificados por usuários adolescentes, como o ProTracker ou Ocatmed. Não levei mais que 2 segundos ponderando, pra decidir que seriam os teclados gritantes do Altern8 em Frequency – era a minha referência do que nem sabia se chamar hoover até então.

Eu conhecia o Joey Beltran de um remix que tinha encontrado numa loja da Rough Sex do Lords of Acid não sabia que ele era o cara do timbre original com a Mentasm da Second Phase. E eu não entendia direito o novo hardcore gabber, mas conhecia Dominator do Human Resource de alguma coletânea em CD mixado, assim como o jungle-rave do Warped Kore. Quem ama o som rave original, o hardcore, ama o hoover. Até mesmo na releitura maximal do Steve Aoki com os Bloody Beetroots. Segundo a Wikipedia, é um timbre que soa como um aspirador de pó!

roland_alpha_juno

Roland Alpha Juno

O timbre original é um preset dos sintetizadores Alpha Juno 1 e 2 da Roland,  que não saiu de fábrica chamado hoover e devia estar muito à frente do 1985 em que foi lançado. As primeiras faixas de hardcore e hard house que trouxeram esse som são de 1991 em diante. De omnipresente em tracks do som rave original, o timbre teve seus anos de uso restrito aos produtores de gabber e hardcore, até que foi resgatado pelo Die Antwoord na I Fink U Freek:

Agora que já temos referências suficientes do timbre que vamos tentar obter com o Massive, vamos começar a desenvolver o som a partir do estado default – Ctrl+N ou File>NewSound.

massive-hoover1

O timbre hoover original é uma forma de onda bem espessa e complexa formada por três osciladores. Essa aonda soa “gorda” porque cada oscilador está em uma oitava de diferença em relação ao anterior. Então reduza o pitch do segundo para -12 e o do terceiro para -24.

Selecione todos os osciladores, clicando no led verde à esquerda no alto de cada um. Clique no menu das formas de onda e para os 3 escolha SQWSW, que define uma espécie de “morph” modulável dentro da chamada wavetable que nesse caso vai de uma onda quadrada perfeita (SQW – square wave) até a forma de dentes de serra (SW para saw tooth).

Use o teclado MIDI ou o próprio teclado alfanumérico para testar algumas notas. Perceba que a principal propriedade do som, que é ocupar um espectro de frequências bem amplo, já foi conseguida de forma simples.

Agora vamos modular cada oscilador com um envelope LFO com decaimento súbito, numa forma similar à dente de serra.

Na Janela Central, clique na aba OSC e escolha a tab ENV2:

envelope-massive-antes

Mova o botão de ataque (Attack) no sentido horário para aumentar a duração, de modo que o pico da onda se localize num ponto próximo ao da figura. Então, reduza totalmente o botão Level do decaimento (Decay):

envelope-massive-depois

Em seguida cilque e segure a cruzinha (modulation handle) no led azul onde esta escrito 2ENV e arraste para o oscilador que deseja modular – faça isso para os 3 e atribua pequenos valores de intensidades diferentes para que soem um pouco fora da afinação e cubram mais frequências. Se atribuir um valor negativo a algum deles, vai perceber um efeito doppler na onda, como se cada oscilador estivesse partindo para direções opostas.

massive-modulacao

Para tornar o som um pouco mais específico e nítido, aplicamos o filtro 1 nas frequências. Podemos usar um dos filtros Low Pass, que cortam as bandas de pitch mais alto, deixando passar apenas os graves. Como já estou usando dois osciladores em oitavas abaixo, vou usar o filtro band pass, e aplicar o controle MIDI Vibrato no botão Cutoff do filtro, arrastando a cruzinha amarela do vibrato na seção Macro Control. Então arrastei o modulation handle do 2ENV – com isso posso atribuir valores diferentes para o incio do efeito no próprio botão, os leds amarelo e azul que aparecem e volta e são ajustados se arrastando o mouse para cima e para baixo nas casinhas com os números.

massive2

Percorra os valores no botão de corte do filtro até chegar num timbre próximo ao do som de hoover que te agradar mais. Em seguida, aplique um pouco de efeito chorus, regulando à gosto a relação dry/wet (mixagem do sinal sem efeito e do sinal processado):

chorus-massive

Por cima do som básico você pode tentar diferentes modulações, novos LFOs, e até mesmo um segundo efeito com alguma distorção. Se tiver interesse em se aprofundar na síntese com o Massive, sugiro os nossos workshops “O Máximo do Massive” – informe-se através do musica@trackers.cx

Niki Nixon

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + dezessete =